sexta-feira, 6 de maio de 2011

Mães

Tenho 38 anos sem nenhuma vergonha de dizer.
Hoje, meu corpo precisa de melhoras (conscientes, não rápidas ou urgentes).
Mas não tenho tempo.

Como todas, não tenho mais tempo pra mim. Entendi o que é doação. Entendi que tem mais gente que precisa de mim... Gente grande e gente pequena.

Entendi que  tudo tem seu tempo, e hoje posso dizer que sou mais feliz do que.

SOU MUITO FELIZ POR SER MÃE.

Até pelo "mãe no susto": Gui o não planejado (isso não significa que o amor passe longe... EU O AMO MMMMMMMMMMMMMMMMMMMUITO, meu fofo) 

OBRIGADA ANA CLARA, OBRIGADO GUILHERME... Sem vocês eu não seria completa!

Ah, obrigado Alexandre pela participação em me tornar mãe. Sem você eles não existiriam!


hahahahahah

a SURI e a ANA CLARA

Será que elas tem algo em comum?
Suri Cruise, 5 anos recém completos e um guarda roupa de dar inveja.
Ana Clara V. de Aguiar, 4 anos e meio e sem o guarda roupa milionário da mocinha ai de debaixo...

o sapatinho de salto alto é Marc Jacobs

criança com cara de criança

Mas o que elas tem em comum?
Nós não somos adeptos da cientologia, somos adeptos à tudo e à nada ao mesmo tempo... Há um pouco de muito sincretismo dentro da gente... Somos católicos não praticantes, espíritas que não meditam, acreditamos em Yemanjá e rezamos para N.Sra dos Navegantes. Acho que somos parecidos com todos os brasileiros que conheço.

Suri, é adepta da cientologia, como os pais Kate Holmes e Tom Cruise. (Será que ela sabe o que é cientologia?) A filosofia da cientologia permite e acredita que ela tem condições de fazer suas escolhas...Então, Suri tem um estilista particular para satisfazer seus pequenos prazeres. Tá nisso as duas tem algo em comum, a Ana Clara também tem uma estilista particular...

Mas a Suri, escolhe as próprias roupas, como combinam ou não, escolhe os acessórios e até a maquiagem que ela vai fazer em si durante o dia ( a loja que ela mais ama é a Sephora, makes, makes, makes).
Vontade não falta à Ana Clara de escolher o figurino, os acessórios e o make. Ás vezes a estilista até permite alguma introdução, porque a cliente é teimosa. Mas o make fica na vontade na maioria das vezes (vamos preservar a pele, né?) 
Sempre quis uma filha feminina, delicada, menina mesmo. Mas isso não significa que queira uma filha Suri, uma menina sem limites.


batom rosa durante o dia - batom vermelho pra sair a noite

para desfilar (ou seja - trabalho): rimel, batom e blush (maçãzinhas, como diria meu amigo Pepe)

Espero que "meus amigos" Tom e Kate não se arrependam no futuro por não ter impostos limites à pequena Suri.
Fazer suas escolhas não necessariamente significa que você está certo, e este é o papel dos pais... Mostrar que você está ou não no caminho. Certamente, uma menina de 5 anos ainda não sabe o poder de suas escolhas.


Fico com a Ana Clara!


figurino escolhido por ela

eis a criação dela: fantasia de carnaval (a rainha das fadas princesas borboletas)

ela escolhe seus sapatos e daqui a pouco até os da mãe

ela tenta escolher suas roupas, mas a estilista lá de casa não deixa!

quinta-feira, 5 de maio de 2011

lugar certo, na hora certa, pra todo consumidor!

Todo mundo conhece a Renner.
Todo mundo já comprou uma coisinha na Renner.
Mas nem todo mundo parou pra pensar porque consome na Renner.

Eu adoraria dizer que é porque a Gabriela Cirne Lima é a gerente geral de estilo da Renner. Ela, que foi minha professora e com quem eu aprendi a desenvolver uma coleção.

Talvez a presença de uma pessoa formada e pós graduada em moda, dentro de um departamento de desenvolvimento de produto, tenha feito uma maxi organização pensar em comportamento. Acho ótimo isso.
Quando entramos na Renner não estamos comprando um produtinho, uma blusinha, um sapatinho...

Mesmo que ela - a Renner - diga que tem "todos os estilos", ela está nos ensinando que a variedade pode construir personalidade.

Encontrei no youtube o vídeo em que a coleção de inverno é apresentada à Imprensa.
Gente, a coleção tem alma, tem começo, meio e fim.

O pessoal fala em um Inverno mais quente, uma coleção mais humana. Sim, fala na busca de valores, e nos resgates do carinho, do afeto, do romantismo e da feminilidade.

Simples, estamos falando de ser mulher independente do sexo que se tenha. Falamos em alma feminina. E a Renner entendeu isso.

Talvez seja por isso que temos tantas oportunidades de nos darmos bem dentro da loja. Talvez seja por isso que encontramos algo que nem sempre precisamos, mas PRECISAMOS mesmo assim.

Não estou defendendo a Renner (apesar de amar o conceito fast fashion e achar que é a melhor do pais nisso). Estou dizendo que estudar o cliente, entender as mudanças do mercado e acrescentar tendências de moda resultam no produto certo na hora certa.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Férias VIRTUAIS

Uma amiga me disse: "calma Lu nem deu tempo de ler tudo..."
conclui então, que os dois últimos posts foram exaustivos... hahahaha (mas foi tão bom escrever!)
Então decidi-me por férias virtuais, e como A D O R O a Itália, fui para a TOSCANA!



Essa é a vista de um dos cômodos, assim, bem básica!


para descansar uma mega cama

local de trabalho: é daqui que estou escrevendo o post

design longe do frio... já viu essa piscina!?

a cozinha do castello... TUDO DE BOM!

no final da tarde aproveitando um solzinho, pra relaxar com uma música (Adele, de preferência... para ficar mais internacional essa trip!)

o horizonte é logo ali... tá vendo?

olha ali meu marido, sentadinho, olhando o nada e o tudo...

esse é o caminho, a entrada e a saída. PROBLEMAS: TO FORA

Ah, mas Rafa, levei o note pra continuar escrevendo, tá?

P.S: ESTOU ME ENCONTRANDO NO MEU MOSAICO (ID QUEST). DESCOBRINDO QUE NO VIRTUAL A GENTE PODE TUDO, DESCOBRINDO QUE EU POSSO ESCOLHER QUEM FAZ PARTE DO MEU MUNDO (CHIQUE ISSO NÉ, PARECE ATÉ PROPAGANDA DE CARRO, OU DE TELEFONIA...) 
ALGUÉM ME ACOMPANHA?

terça-feira, 3 de maio de 2011

OS SETE NOVOS PERFIS DE CONSUMO

o que me espera num futuro próximo?
O Observatório de Tendências Ipsos lançou recentemente um novo estudo sobre os novos perfis de consumo. O estudo é feito através de pesquisa nas principais capitais do mundo, identificando e analisando movimentos e fenômenos observados em nível macroeconômico, político e social e seus reflexos no consumo, no comportamento, nas manifestações culturas, na arquitetura e na propaganda. Aqui eu acrescentaria ainda NO PRODUTO (sim porque se vc entender o que eles estão dizendo, seu produto ficará bem mais perto do consumidor...)

Segundo Clotilde Perez, coordenadora do Observatório, "as sete tendências revelam um mundo em busca de composição". Depois de ler a pesquisa, acho que não usaria a palavra composição, mas sim a palavra reorganização...

Mas, vamos às tendências...

1.Go Bubbles - “conexão no microcosmos” (eu diria: O VALOR DO TEMPO AGORA)

Consideremos que a globalização e a vida sem fronteiras não foram alcançadas. Consideramos o mundo mas não estamos lá necessariamente... O tempo agorista ainda é um valor. Estar “conectado” não significa, necessariamente, estar ligado em tudo que acontece no mundo o tempo todo. Filtrar, selecionar e bloquear informações possibilitaram limites. Conexão, interatividade, multiplicidade estão mais voltadas aos microcosmos (ou seja, a você) e são, assim, melhor administradas. (Nós nos gerenciamos, nós nos limitamos e escolhemos quem queremos que faça parte desta nossa vida - física e virtual)


2. HiperSense - “maximização dos sentidos”
O desejo pela intensidade, surpreender e ser surpreendido, arriscar-se, ousar, sair do lugar-comum, fazer algo diferente – peculiaridades tipicamente humanas – foram aguçadas pelos efeitos de massificação e da pouca diferenciação da era global. Desde as primeiras ondas deste Observatório foram observadas diferentes formas de buscar uma emoção mais intensa: do desafio físico, passando pelo exibicionismo, pelo voyerismo até a invasão do fetichismo. Essas manifestações continuam, mas surgiram formas mais elaboradas de se fazer notar e de sentir, muitas vezes associadas a mensagens edificantes: minar preconceitos, atenuar tabus, manifestar uma ideia. A ênfase agora está em despertar os sentidos de maneira inusitada, misturar, sobrepor os sentidos.

3. Venus Fever - “He, she, it: a composição como possibilidade”
Traz a ideia de “compor” como o centro das atenções. Nesse momento, fica evidente que há certa parceria e flexibilidade entre homens e mulheres, que levaram a discussões sobre seus papéis sociais para um âmbito mais provativo. A mulher é mais “Amélia” enem se sente mais ameaçada pela perda de suas conquistas. Pode transitar mais naturalmente entre possibilidades: sendo mãe, esposa, amante, filha, profissional... Da mesma forma, o homem é também mais livre para circular: mais sensível, vulnerável, parceiro, também pode ser mais viril, rústico.

4. Living Well - “bem-estar necessário”
O bem-estar é o ponto marcante desta tendência. Identifica forte valorização do momento presente. Cuidar de si é mais possível do que cuidar do planeta ou dos problemas de ordem mundial. Por outro lado, evidencia-se maior preocupação com o futuro, com manifestações de generosidade, de dedicação aos outros, de ajudar, contribuir. A linguagem edulcorada e a generosidade são algumas das marcas da Living Well. (gosto disso deveria pensar mias nisso!)


5. ID Quest - “patchwork identitário”
Na atualidade ID Quest tem importante destaque: buscar as raízes para saber quem eu sou – e eu sou um mosaico. Amigos pessoais são mais valorizados, mesmo que o contato com eles seja mais virtual do que físico. Momento de crise financeira também intensifica a necessidade de contatos mais sólidos e verdadeiros do que a ampla gama de desconhecidos. Sente-se também certo remorso, culpa por ter se distanciado durante certo tempo dos laços afetivos mais reais. São evidentes manifestações claras de busca afetiva, como design de época, objetos do passado, colecionismo em alta, remakes de filmes e peças de sucesso, renascimento das mascotes de marca e criação de novas, valorização das histórias de vida, os pets e a sedução pela eternidade, tudo em busca de uma relação mais emocional e mais afetiva como possibilidade de constituição da própria identidade. (AMO ESSA TENDÊNCIA - acho ela super atual sempre)



6. My Way – “protagonismo e criatividade”
o Foco é o indivíduo e  tudo que lhe agrada e singulariza. Não queremos apenas personalizar: somos autores-atores prontos para performances. As manifestações de individualidade estão também expressas na relação com o outro, na co-autoria, nos processos de “co-criation”, na colaboração. O exercício da criatividade está na capacidade de transitar por vários estilos, atitudes e comportamentos. É preciso ser único e ser múltiplo ao mesmo tempo.


7. Know Your Rights
Tem como base a frase “consumir é existir” e apresenta três eixos: crítico, onde existe uma contrariedade aos excessos do capitalismo, como o consumismo; ético, preocupação com as formas de produção dos produtos; e sofisticado, com novos significados para a palavra luxo e onde as marcas desse segmento estão voltadas para o core business em busca de segurança e manutenção das vendas.


segunda-feira, 2 de maio de 2011

MADE HERE SHOW - Balanço geral

Fui conferir de perto (com meu chaveirinho loiro) as marcas que aconteceram neste ano no Made Here Show.
Meu primeiro destaque positivo foi a mudança de local, fazendo parte da programação do Iguatemi Serra FAshion, a visibilidade das marcas daqui é maior. Só achei poucos looks de cada marca - mas isso é questão de estratégia e eu respeito...
Adorei ver marcas que tem história presentes no evento.

A veterana ANNA KARENINA (leias-se: Aninha, Karen e Carol) estava impecável. Adoro os looks de modelagem perfeita, bem cortados, com caimento. E as rendas... HUmmmmmmmm queria ter visto mais looks dela na passarela. Fariam a diferença...


na passarela do Made Here Show - vestido JUSTÍSSIMO - haja silhueta!

o casaco de renda é LINDO - pessoalmente mais ainda

queria ter visto mais, como essa camisa...

e este conjunto LINDO de vestido e casaco

A Anna Karenina foi a única marca que esteve presente desde a primeira edição do evento. Todas as outras eram estreantes... E entre erros e acertos, vamos à elas:

ANSELMI - sempre perfeita, com produtos de tecnologia. Acertou nas mega mantas e nos jacquards. Senti gostinho de quero mais, queria ter visto os vestidos que ficaram lindos na Fernanda Lima...
(viu eu disse que tinha sido pouca peça desfilada de cada marca...)


adoro o pelo entre a estrutura dos pontos

o jacquard em tom/tom é chique e combina com TUDO


AMEI esse decote - é TUDO (chique na medida certa)

o LONGO é tudo nesse inverno - e a capa circular então... LINDA

FRIOLÃ: como sempre, tenho que dizer que ela arrasou na passarela. PARA MEUS OLHOS foi a boa surpresa da noite, com o colorido ousado da antenada Rafaela Tomazzoni. Sim, quem mais combinaria vermelhos e roxos, um ano antes deles se tornarem febre no mercado? PARABÉNS pela antecipação. E neste caso vi tudo o que eu queria na passarela...


roxo + vermelho + coral + bege  = TTTTTTTTTUDO (vamos aprender a combinar cores?)

olha a calça de jacquard? UNANIMIDADE - fashion total

o dourado é feito em foil - normalmente a peça fica amassada... NESTE CASO NÃO! perfeição!

e a saia longa de jacquard? gente muito setentinha, muito show isso!

detalhe: O ACESSÓRIO FOI CONFECCIONADO POR ELA!

ZANATTA: não tenho vergonha de dizer que o acho o melhor masculino do Brasil. As malhas impecáveis, mas o stylist não precisava misturar tanto pra mostrar a diversidade. Não entendi o colete sem camisa, já que o evento era pro Inverno gaúcho. AMEI as cores, e a tecnologia "ESCONDIDA" na simplicidade.


NADA A DECLARAR

E o pior é que o colete é o mesmo. Dúvido que não existissem outros coletes e outras padronagens na coleção

LINDO

isso não esteve na passarela, mas tem que ser visto - OLHA O QUE É ESSA GOLA

e essa combinação de cores? MARA!

UPMAN - fazer cuecas não é uma coisa fácil. O produto é praticamente sempre o mesmo, mas a Luciana Frezza consegue dar o ar da graça modificando o que era pra ser "a mesma coisa". Além da tecnologia que ela defende e emprega (falo de métodos de produção e de tecidos - é uma das únicas no Brasil a usar a fibra de lactose - ACHO CHIQUE!) consegue mostrar novidades na modelagem das peças. Pena que o desfile foi curto... Fiquei pensando que queria várias, adultas e infantis!


a cueca e o pijama tem a mesma estampa... BOM ISSO NÉ?

MODELAGEM NOVA: pequena, de gancho baixo 

tal pai, tal filho... amado né?

VERBELLA - a empresa de Farroupilha cresce a olhos vistos. A Karen, que é a dona tem os olhos voltados pro futuro, e isso é bom, muito bom. Gosto das criações dela, acho que está certa em fazer uma coleção completa, com tudo.





BIAMAR: a empresa tem crescido muito e junto com ela, o mercado. Gosto muito do produto da Biamar, acho que ela é uma empresa completa que traz fios de bom gosto e tecnologia em produtos usáveis! Adorei a composição de cor marinho + bege + camelo.
essa foto tem duas coisas lindas: O PONTO DA MANGA DO COLETE, e a combinação de cores do look de saia longa.

aposta: AZUIS
RACHE MARTINI: A marca tem uma alma própria que é reconhecida de longe... Alfaiataria bem cortada, bem modelada, bem bordada: REQUINTADO.


essa camisa É TUDO, e o short... hum!


NEEDLE: Não entendi muito a presença lúdica no contexto do desfile. O produto destoou de todas as outras marcas desfiladas. Isso é bom e ruim. Bom porque chama atenção, ruim porque o desfile no contexto geral perde. Não conheço muito a marca, acho o site tudo de bom, mas não vi na passarela o que está presente no site...




"Estamos aqui para aprender..."

O tempo é mesmo injusto, se aproveita das nossas tristezas e as transforma em oportunidades!

Pesquisar este blog

Ocorreu um erro neste gadget